Notícias

10 de maio de 2019

Páscoa: um convite à vida nova!

Os alunos da Educação Infantil ao 2º ano do EF receberam um convite especial para vivenciar o Tempo da Páscoa - celebrado durante os 50 dias que vão do Domingo da Ressureição à Festa de Pentecostes, como um momento de transformação para uma vida nova.

Para refletir sobre o verdadeiro sentido da Páscoa, a professora de Ensino Religioso, Jacqueline Crepaldi, realizou diversos momentos de reflexão com os alunos, na capela.

“Páscoa significa VIDA NOVA! Algumas vezes, nós ficamos como as folhinhas que caem no chão, fracos, tristes. Quando ficamos fracos na fé precisamos de ajuda para voltarmos para Deus, como a História de Agostinho”, disse a professora, lembrando a mudança de vida vivenciado por Santo Agostinho. 

IMG_8582.JPG

A Páscoa de Agostinho

“Houve um tempo no qual Agostinho afastou-se de Deus. Ele não ajudava ninguém, não rezava, não lia a bíblia. Entretanto, não era feliz.
Perto de sua residência havia um jardim e para lá Agostinho se dirigiu. Alípio estava com ele. Mesmo assim sentia-se só. Dirigiu-se para uma figueira e chorou muito. Alípio estava com o livro do Apóstolo Paulo. De repente, Agostinho ouviu a voz de uma criança repetindo uma canção: “Toma e lê, toma e lê”. Interpretou essa voz como uma ordem divina para abrir o livro. Pegou-o, abriu-o e o leu em silêncio.
Lá dizia para viver fazendo o bem, ajudar as pessoas e seguir os ensinamentos de Jesus. Também dizia para acolher o fraco na fé. Agostinho volta a ficar no coração de Deus e nunca mais se afasta dele. Estava decidido a ser católico, queria batizar-se. Alípio, imediatamente, foi relatar os fatos para a mãe de Agostinho. Naquela hora, Mônica sentiu que Deus “transformou sua tristeza em alegria” (AGOSTINHO, 1984, p. 228). Agostinho se batizou na Páscoa, numa mudança de fraqueza para força, de afastar-se, para aproximar-se de Deus. E de lá nunca mais saiu”.

 

 

Compartilhe